MOVA-Brasil em Jabó: fim de uma etapa

Comemoramos um ano de existência do Núcleo "O saber não tem idade e não ocupa espaço" do projeto MOVA-Brasil em Jaboticatubas! Foi um ano de muitas conquistas, muitas mudanças, muitas esperanças! Agora é planejar o próximo ano!

Veja alguns momentos do Projeto:

video

Disseminando o conhecimento e o uso da homeopatia


A partir dos temas geradores que nortearam o trabalho das turmas do Projeto MOVA-Brasil, que giravam em torno da saúde, foi proposta pela Inez Alvez e pela Amanu vivências para divulgação da homeopatia junto às educadoras e educandos. O objetivo era tratar da temática da saúde sobre a perspectiva da homeopatia, tanto em tratamento humano quanto nas atividades da agricultura, muito presentes nas turmas. A importância se dá pela precariedade do serviço de saúde oferecido no município e pela ampla utilização de agrotóxicos, com casos de intoxicação e morte conhecidos. De acordo com o interesse e as condições de cada turma, foram preparadas junto às educadoras 2 vivências, uma no centro urbano de Jaboticatubas e outra no centro urbano de São José de Almeida. As vivências foram organizadas para as turmas do MOVA, mas foram também abertas e divulgadas para a comunidade em geral.

Em Jaboticatubas, o encontro ocorreu no dia 29 de outubro de 2011 e contou com a presença de 23 pessoas, entre representantes da Amanu, do Capão Clemente, Mato do Tição, Belo Horizonte, Barreiro, Jaboticatubas, Mato Barreiro, Brumadinho, Capão Grosso, São José de Almeida e Lagoa Santa. Em relação às turmas do MOVA, a participação foi abaixo do esperado. Ainda, muitos não ficaram durante todo o encontro. Contudo, foi muito importante a presença do José Osvaldo, de Brumadinho, que compartilhou suas experiências com ME e é possível local de visita; de Luiz Gustavo, que é presidente do Sindicato dos Profissionais em Terapias Naturais, Energéticas e Complementares de MG e que está aberto a parcerias; de Francisco José do Sindicato dos Produtores de Almeida, que quer fazer a transição agroecológica; e de Sueni Paladini, terapeuta floral. Também, todos os presentes gostaram muito do encontro e agora entendem um pouco melhor a importância da temática para a melhoria da qualidade de vida.

Já em São José de Almeida, após conversa com as educadoras e retorno sobre o encontro em Jaboticatubas, a presença das turmas do MOVA foi grande. O encontro ocorreu dia 5 de novembro de 2011 e contou com a presença de 30 pessoas, entre representantes de São José da Serra, Capão do Berto, São José de Almeida, Sindicato rural, Fazenda Santo Antônio, Curralinho, Joana e Capão Grosso. Aos poucos as pessoas foram ficando a vontade e o encontro teve um clima divertido, com grande participação dos educandos e educadoras. O interesse despertado foi grande, como exemplifica a fala de Seu Antônio, da comunidade do Berto: “Eu já participei de muitas coisas na minha vida, para tudo que fui chamado eu tentei participar, fiz cursos, participei de associação e sindicato. De todas as coisas que eu vi essa foi a mais importante, pois falou de muitas coisas que conhecemos [uso de plantas para o cuidado com a saúde e produção orgânica] mas levou para um lado totalmente diferente, que a gente nem imaginava que existia, e que é muito importante. E não fui só eu que achei não, no ônibus de volta viemos comentando isso e muitos concordaram”. ia.almente diferente, que a gente nem imaginavapois falou de muitas coisas que conhecemos, mas levou para um lado tota

As atividades estão previstas para continuar em 2012, com o início de um novo projeto, cujo objetivo principal será disseminar o uso da homeopatia pelas populações do campo, se articulando também a outros projetos em curso e junto às turmas do MOVA. Preparem-se!

Turma do Capão do Berto envia carta à Câmara Municipal

Durante o ano, um dos temas que nortearam os trabalhos da turma do MOVA-Brasil na comunidade do Capão do Berto foi a saúde. Ao fim das discussões, os educandos, educadoras e comunidade em geral enviaram à Câmara Municipal uma carta onde reivindicam o acesso à este direito e expõem a falta de atenção do município para a área rural. Leia abaixo:



Capão do Berto, 14/11/2011

Excelentíssimo Sr. Prefeito de Jaboticatubas
e Ilustríssimos Srs. Vereadores da Câmara Municipal

É com grande respeito que nos dirigimos aos Srs. e oferecemos nossos cumprimentos para apresentar nossas reivindicações.
Sabemos da imensidão e grandeza do nosso Município e estamos atentos para os trabalhos nele desenvolvidos, como também estamos conscientes dos nossos direitos e deveres enquanto cidadãos jaboticatubenses. Por isso mesmo, queremos que os Senhores olhem com mais atenção para a nossa comunidade, que é uma das mais distantes da Sede, ficando, muitas vezes, a margem dos benefícios.
Queremos reclamar da precariedade no setor da saúde. Nós, educandos do Projeto MOVA-Brasil e a comunidade como um todo, depois de algumas conversas, decidimos reivindicar sua atenção para as seguintes questões:
(a)    Tratamento dentário acessível à população visto que a maioria não tem condições de pagar pelo tratamento;
(b)   Dificuldade que temos para acessar médicos especialistas e exames, já que temos que pagar passagem para vir até a cidade apenas para agendarmos os mesmos;
(c)    Falta de água tratada;
(d)   Inexistência de coleta de lixo. Sabemos que não devemos queimá-los e nem deixá-los espalhados em qualquer ambiente, mas nunca houve atenção da prefeitura para isso;
(e)    Não há entrega de nossas correspondências pelo correio, precisamos ir a cidade para isso;
(f)    Construção de um tele-centro com internet, pois a comunidade não tem acesso necessitando do deslocamento até Almeida ou Jaboticatubas;
(g)   O atendimento médico é feito na Igreja sem a mínima condição adequada.

Muitas vezes buscamos ajuda no Município de Santana do Riacho, onde os moradores da Zona Rural têm ônibus gratuito uma vez por semana, prioridade nas fichas de consultas, tratamento dentário e transporte gratuito para exames e consultas fora do Município. Beneficio que esta em risco devido as péssimas condições em que se encontra a pinguela de acesso que foi construída com ajuda da prefeitura de Santana do Riacho. De Jaboticatubas só houve promessas. Essa travessia também é o único acesso para pegarmos o ônibus da Saritur que realiza o trajeto Santana a BH.
Estamos construindo aqui um Centro Social com nossos próprios recursos, que servirá para atendimento médico, reuniões, cursos e outros eventos. Apesar de todas as tentativas de dialogar com a prefeitura, não houve sequer uma visita por parte do prefeito e dos vereadores desde o ano da eleição.
Tivemos este ano uma turma de alfabetização onde a maioria dos alunos desistiu pela falta de transporte. Contudo, estamos conseguindo vencer mais essa etapa. Não é de nossa intenção ofendê-los, nem desrespeitá-los, só queremos lembrar ao Exmo.Sr. prefeito e vereadores que existimos para além do ano eleitoral. Independente de estarmos na zona rural fazermos parte de Jaboticatubas e queremos estar incluídos nos benefícios que são de direito de todos e previsto na Constituição.
Desde já agradecemos Vossa atenção e esperamos que nossas reivindicações sejam plenamente atendidas.

Turma de alfabetização do Projeto MOVA-Brasil e comunidade do Capão do Berto.

Participação no Fórum Metropolitano de EJA

O Núcleo do MOVA-Brasil de Jaboticatubas esteve na reunião do Fórum Metropolitano de EJA do dia 28.10.2011 para pensar em formas de conquistar uma Educação de Jovens e Adultos efetiva em Jaboticatubas, especialmente para as comunidades rurais, hoje sem acesso, e relatar a importância do Projeto MOVA-Brasil, mesmo que não seja uma solução definitiva.

Estivemos, coordenador, articuladora, educadoras e educandas, representando o núcleo e a Regina, educanda do Mato do Tição, representou os educandos do MOVA na mesa.

Após a visita, definimos algumas ações que devem ser realizadas no município:
1) Organizar a demanda de EJA nas comunidades rurais – fazer um dossiê da situação que será amplamente divulgado;
2) Apontar em depoimentos as experiências do MOVA e discutir que educação queremos;
3) Discutir a importância da reativação das escolas rurais;
4) Tentar parceria com a Prefeitura para o transporte dos educandos do MOVA em 2012;
5) De posse dos documentos acima, realizar uma audiência pública para discutir a realidade da EJA em Jaboticatubas e formas democráticas de se resolver o problema da esfera governamental não estar cumprindo o direito público subjetivo da educação de qualidade para todos;
6) Lançar uma campanha que deve ser estudada nas turmas do MOVA, enviada à Prefeitura, Fórum, IPF, facebook etc. para 2012-2013;
7) Articular projetos de geração de renda para a agricultura familiar e artesãos dentro do processo de alfabetização;
8) Articular parcerias relacionadas à: homeopatia na família e na agricultura; educação e cooperativismo; jogos educativos; articulação social e tecnologias sociais. Meta: alfabetização profissionalizante.

Contamos com o apoio de todos nesse empreitada! Vejam aqui nosso relatório da Reunião.

Apoio ao Parque Ecológico do Capão Grosso

Visita ao Kairós em Nova Lima
No Capão Grosso, comunidade vizinha ao Campo Experimental da Amanu, um grupo está implementando um Parque Ecológico, que abrigará várias atividades para a comunidade, além de ser uma reserva para a flora e a fauna. 

A Amanu foi chamada a contribuir e, na medida do possível, estamos ajudando com idéias e compartilhando conhecimentos sobre tecnologias sociais e ecologia. 

Desejamos boa sorte para o grupo, que o Parque venha somar forças aos trabalhos e pessoas que buscam fortalecer as comunidades rurais do município a partir de uma visão socioambiental!
Visita à área do Parque
Visita à àrea do Parque

Festa de 1 Ano do Centro Cultural!

No dia 27 de agosto de 2011 foi comemorado 1 ano de atividades do Centro Cultural Comunitário Pacífico Inácio! Para organização da Festa, foram feitos mutirões e divididas equipes. Ajudaram o Grupo Gestor do Centro Cultural, a turma do Curso do Projeto Vivendo nos Cerrados Gerais, a turma do MOVA das Comunidades do Berto e do Espada, e os Amigos do Centro Cultural. A Festa foi um sucesso e contou com reza e leilão, violas e sanfona, animador, bazar, canjica, barraquinhas, exposição de fotos e o batuque! Nosso fogão eco-eficiente foi inaugurado com sucesso e despertou curiosidade na Festa! 

A turma do Centro Cultural agradece às contribuições da família Pacífico Inácio, da Inez de Lagoa Santa e da Letícia, graduanda em jornalismo da PUC-Minas, que registrou a Festa nas fotos que vocês podem ver abaixo, além de todos que ajudaram e que vieram comemorar conosco! Que venham muitos outros anos de atividades no Centro Cultural Comunitário Pacífico Inácio!

video

Que suco é esse?

 












A dinâmica "Que suco é esse?" foi realizada no Curso de Agroextrativismo e Cultura Popular, realizado no Projeto "Vivendo nos Cerrados Gerais" da Amanu com financiamento do PPP-ECOS

O Curso ocorre no Centro Cultural Comunitário Pacífico Inácio e nesse dia discutíamos sobre a importância de verduras e frutas na alimentação e as várias maneiras de as utilizarmos. Essa discussão fez parte do Módulo de Segurança Alimentar e Nutricional.

A dinâmica possibilitou discutir de maneira lúdica os nutrientes e propriedades de verduras, frutas e ervas, além de mostrar outras formas de utilizar os alimentos produzidos nas comunidades mas que, nem sempre, são bem aproveitados, muitos acabando desperdiçados nos quintais ou dados aos porcos e outras criações.

Após a brincadeira, em outros encontros, tivemos retorno de que alguns dos sucos estão sendo feitos nas casas e até mesmo adaptados para usar os alimentos da época.

Outra importante constatação durante a atividade foi o fato de um dos educandos da turma do MOVA-Brasil na comunidade conseguir ler e preencher a ficha para adivinhar de que eram feitos os sucos, sendo que antes das aulas ele não conhecia todas as letras e sabia apenas escrever seu nome! 

Alfabetização de Jovens e Adultos no Campo

Dentro do Núcleo do MOVA de Jaboticatubas, a Amanu produziu um vídeo de 30 minutos que aborda um pouco da realidade das comunidades rurais do município em relação à EJA, à educação do campo, ao direito à educação e à realização do Projeto MOVA-Brasil. O vídeo foi feito como atividade de divulgação, esclarecimento, sensibilização e estímulo a um maior envolvimento das comunidades e parceiros no Núcleo Jaboticatubas do Projeto MOVA-Brasil, e o argumento principal é mostrar um pouco de como está acontecendo o Projeto no município, tendo como pano de fundo as temáticas acima mencionadas.

Se você se interessa em ter uma cópia do vídeo, basta entrar em contato por e-mail. Veja o vídeo abaixo (está dividido em três partes):

Visita à Feira de Agricultura Familiar de MG

Como atividade pedagógica do Curso de Agroextrativismo e Cultura Popular, que faz parte do projeto da Amanu "Vivendo nos Cerrados Gerais" e ocorre no Centro Cultural Comunitário Pacífico Inácio, organizamos uma visita à Feira de Agricultura Familiar de Minas Gerais 2011. Além dos participantes do Curso, que reúne homens e mulheres, de crianças a idosos, participaram também os educandos da comunidade do Berto do MOVA-Brasil, que em Jaboticatubas é coordenado pela Amanu.

video
A Feira é uma iniciativa da FETAEMG. No Curso de Agroextrativismo e Cultura Popular estávamos fazendo algumas discussões relativas à importância da Agricultura Familiar e as possibilidades de geração de renda a partir de seus produtos, inclusive os produtos do cerrado. Nada melhor do que ver de perto!

Para ser usada como atividade pedagógica, a visita foi organizada com antecedência, com uma visita no dia anterior, onde pudemos ver o perfil da Feira e dos feirantes e elaborar algumas questões para serem debatidas e sistematizadas pelos participantes do curso. Esse instrumento incentiva os participantes a adotar uma postura receptiva para conhecer as experiências, observar com detalhes: ver, ouvir, perguntar, promovendo o intercâmbio entre suas experiências. O registro escrito favorece que as percepções sejam sistematizadas e possam ser compartilhadas com a comunidade e outras pessoas que não puderam estar na visita, além de servir também como instrumento de avaliação pelos oficineiros. Através dos registros, pudemos perceber a importância dessa atividade e também avaliar se alguns conceitos discutidos no Curso estão ou não ficando claros. Veja que interessantes as conclusões e percepções dos agricultores sobre a Feira!

Agradecemos, em nome da Amanu e das comunidades do Berto e do Espada, aos Amigos do Centro Cultural, à Linhares e à FETAEMG por nos apoiar na realização dessa visita!

Amanu no Boletim Nacional do MOVA

 Os Boletins Informativos do MOVA-Brasil são uma forma de sistematizar e divulgar experiências do Programa entre os Núcleos. No Boletim número 2, saiu uma nota sobre o trabalho da Amanu:

Oficina da Amanu no Encontro da Rede MOVA

Notícia do Encontro no Boletim MOVA-Brasil

A Associação Amanu foi responsável pela oficina: "Ecologia e Mobilização Social", que teve o seguinte enfoque:
1)      Objetivos:
a.  Discutir o conceito de Ecologia;  
b.  Discutir as relações entre sociedade e natureza. Não há como pensar um sem o outro, sendo, portanto, necessário enxergar as questões ambientais dentro do contexto social em que se inserem;
c.  Compreender os conflitos ambientais locais e globais como parte de um mesmo sistema de produção e consumo.
2)      Programação:
Dinâmica de apresentação do grupo (nome, lugar, relação com o MOVA)
O que é ecologia (escrita em papel e registro coletivo)
Discussão e apresentação (assuntos citados e nossa escolha pela Ecologia Política)
Leitura e discussão do texto “Ecologia e Cidadania - Introdução”
Discussão do Vídeo “A história das coisas”
Fechamento
Ecologia é um tema controverso e que nos remete à muitas coisas distintas. O desafio é buscar um enfoque abrangente e que permita distinguir os diferentes conceitos que estão em disputa quando levantamos o tema. Entendemos que esse enfoque deve necessariamente tratar da relação sociedade e natureza, ou, das várias formas de uso, apropriação e significação que damos à natureza. É um tema vasto e necessário ao trabalho do MOVA!

Fogão Eco-Eficiente

Fogão pronto para usar
Um fogão à lenha que economize madeira, não deixe fumaça dentro de casa, não cause queimaduras e nem deixe a parede preta, você conhece? Esse é o fogão eco-eficiente, que tem como diferencial uma estrutura de ferro com um compartimento onde ocorre a combustão. Dessa forma, a queima é mais eficiente, economizando lenha, e a fumaça não volta para dentro de casa. A fumaça, além de empretecer a cozinha, causa sérios problemas de saúde. Ainda, o fogo não fica à vista, evitando queimaduras e incidentes com a criançada. 

Há muitos modelos diferentes. No projeto Vivendo nos Cerrados Gerais, foi construído um de 4 bocas e com forno, que integrará a cozinha coletiva do Centro Cultural Comunitário Pacífico Inácio. Agradecemos a presença do Silvério e do Agripino, capacitados para a construção do fogão eco-eficiente! 

Veja aqui a cartilha elaborada pelo IDER - Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Energias Renováveis, que foi distribuída durante a oficina e agora compõe também o acervo da biblioteca do Centro Cultural.
Montagem

Oficina "Ecologia e Mobilização Social"

Acontecerá em Belo Horizonte dias 05, 06 e 07 de agosto, nas dependências da Faculdade de Educação - UFMG, o V Encontro Regional da Rede MOVA, que terá como tema “Alfabetização, Mobilização e Intervenção Social”. Neste encontro estarão presentes 300 delegados (as), representantes dos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo.

A Amanu, além de integrar a delegação de Jaboticatubas, participará oferecendo uma oficina sobre Ecologia e Mobilização Social.

Desidratador Solar de Frutas e Verduras

Utilizando a energia solar, podemos desidratar com grande facilidade e em pouco tempo frutas e verduras. É um método de conservação, que permite aproveitar os alimentos para além de sua época de produção, utilizar o excedente e gerar produtos para serem comercializados em feiras. Além de escolher o modelo mais adequado para a quantidade que pretende ser desidratada, é preciso estar atento às demais etapas: seleção da matéria-prima, lavagem, tratamento, embalagem e armazenamento, sempre seguindo as boas práticas de fabricação!
Para o Centro Cultural, escolhemos o modelo desenvolvido pela ESALQ/USP, disponível aqui.

Exibição do vídeo "Velho é o Mundo" nas 10 comunidades participantes do MOVA

Como estratégia de divulgação, esclarecimento, sensibilização e estímulo a um maior envolvimento das comunidades e parceiros no Núcleo Jaboticatubas do Projeto MOVA-Brasil, a Amanu produziu o vídeo "Velho é o Mundo", que mostra um pouco de como está acontecendo o Projeto no município. As filmagens ocorreram nos dias 06 e 07 de maio, e para produção do vídeo contamos com trabalhos da Amanu, seus colaboradores e educadoras do Núcleo. Também tivemos apoio do MOVA, da Recid e do Mandato do vereador Geraldo Aparecido Marques. 

Durante o mês de junho, o vídeo foi exibido nas 10 comunidades rurais onde estão ocorrendo as aulas de alfabetização, em encontros organizados pelas turmas - educadoras e alunos. Os encontros também tiveram comes e bebes, música, depoimentos, manifestações, conversas, teatro, fogueira, brincadeiras e até quadrilha!


Na reunião de Núcleo, foi analisada a importância da ação em relação à alguns pontos: mostrar a grande demanda por alfabetização de jovens e adultos no Brasil; mostrar como está ocorrendo o projeto para todos os envolvidos e interessados; fortalecimento das associações comunitárias que apóiam o projeto; aumento da auto-estima e bem estar dos alunos, que ficaram orgulhosos por estarem participando; combate à discriminação e vergonha em relação ao analfabetismo; valorização das comunidades e da vida no campo; momento de confraternização e encontro nas comunidades, espaços que vêm se tornando escassos; mostrar a necessidade de fortalecimento e união das comunidades para conquistar melhorias na qualidade de vida.

"Se você for nas comunidades rurais hoje, e perguntar quem quer continuar os estudos, todos querem. Hoje em dia para tudo é exigido estudo, então, não dar essa oportunidade às comunidades rurais é o mesmo de dizer que essas pessoas ficarão excluídas, que nunca servirão pra nada" Fernando, presente no encontro na comunidade de Joana

Veja as fotos dos encontros:

video

Vivendo nos Cerrados Gerais: Curso no Centro Cultural

Após a inauguração do Centro Cultural Comunitário Pacífico Inácio, teve início o Curso de Agroextrativismo e Cultura Popular, como parte do Projeto Vivendo nos Cerrados Gerais - Formação Agroecológica e Educação Popular: fortalecimento de comunidades tradicionais no enfrentamento da crise socioambiental. Ele é desenvolvido junto a comunidades rurais de Jaboticatubas e visa  a melhoria e a valorização da vida do campo através da capacitação em agroextrativismo no cerrado, buscando o protagonismo das comunidades tradicionais na construção de modos de vida sustentáveis. É financiado pelo PPP-ECOS. As ações do Projeto continuarão até início de 2012. 

Veja abaixo alguns momentos desse início do Curso:

video

Educação e seus atores - Experiências, sentidos e identidades

Convidamos para o lançamento do livro "Educação e seus atores - Experiências, sentidos e identidades" que será realizado durante a Quarta na Pós, dia 22/06 às 16hs, na Faculdade de Educação da UFMG. Luiz Felipe Lopes Cunha, integrante da Amanu, é um dos autores do capítulo "Uma interpretação filosófico-antropológica das experiências escolares de jovens e adultos na EJA", resultado de sua dissertação de mestrado.

Mais informações sobre o livro:

Sinopse: 
Esta coletânea apresenta artigos de pesquisadores que analisam problemas práticos e teóricos que são objetos de pesquisa e de prática profissional no âmbito educacional. As reflexões apresentadas articulam-se com o propósito de desvendar, nos processos educativos, a complexidade das vivências e das experiências de diferentes sujeitos – crianças, jovens, adultos e idosos, educadores e educadoras. Ao buscar compreender os sujeitos e seus pertencimentos (sociais, geracionais, raciais, de gênero), este livro dialoga com representações, análises e indagações sobre a formação humana. Além de revelar as experiências individuais e coletivas dos sujeitos da educação, esta obra apresenta elementos para melhor compreensão do papel do educador e suas contribuições nos processos educativos escolares e não escolares. Os textos aqui presentes pretendem contribuir para pensarmos os sujeitos sociais em sua constituição nos diferentes espaços, proporcionando aos professores e educadores em geral, bem como aos pesquisadores, subsídios para sua prática cotidiana.

Compre nas livrarias ou no site da Editora Autêntica.

Alfabetização de Adultos na Vila Santana no Cafezal

Desde 2008, o Grupo Aroeira - Ambiente, Sociedade e Cultura executa o projeto "Promoção de práticas de agricultura urbana como ferramenta de desenvolvimento local na Vila Cafezal, Belo Horizonte –MG", com apoio da PROEX/UFMG. Este busca fomentar novas alternativas para se promover as práticas de Agricultura Urbana em vilas e favelas de Belo Horizonte, vislumbrando a AU como ferramenta promotora de segurança nutricional e alimentar, fortalecimento de redes sociais, saúde, melhoria de processos ecológicos e destinação de resíduos. Em especial, acompanha a Horta Comunitária da Associação da Vila Santana do Cafezal e o Grupo Santana de Plantas Medicinais, que se reúne também na Associação. Em 2010, percebendo a demanda por alfabetização de adultos, a bolsista Luana do Carmo, graduanda em Ciências Biológicas pela UFMG, iniciou um trabalho de Educação de Jovens e Adultos. Este ano, com apoio da Amanu e do Projeto MOVA-Brasil, a partir do Núcleo de Jaboticatubas, a ação pôde se fortalecer através da formação da bolsista na área e intercâmbio com as experiências em Jaboticatubas, ajudando na solução de dúvidas, propostas de ação, elaboração e disponibilização de materiais. 
Abaixo, veja as fotos da turma, que fizeram parte do trabalho de Letícia Gloor, graduanda em Jornalismo na PUC-Minas.

video

Trabalho Integrado mostra um pouco da vida no campo, trabalho da Amanu e Centro Cultural Comunitário

Letícia e Maíra, granduandas em Jornalismo pela PUC-Minas, realizaram o trabalho integrado do sementre sobre a Amanu, o Centro Cultural Comunitário e a Agricultura Familiar. A Amanu indicou bibliografia referente ao processo de modernização da agricultura no Brasil e seus impactos para as pessoas e o meio ambiente, e sobre educação popular, temas que norteiam suas ações. Também, acompanhou as estudantes em dois dias de campo para entrevistas e fotos nas comunidades participantes do Centro Cultural. A idéia era que elas pudessem conhecer e mostrar um pouco mais sobre a vida e as pessoas do campo, contribuindo para combater a invisibilidade produzida de suas culturas, seus modos de vida e saberes.

As fotografias deram origem à exposição "A Vida no Campo", que foi apresentada na PUC-Minas e fica em exposição no Centro Cultural Comunitário

"A professora da disciplina se emocionou por lembrar de sua infância e a trajetória de sua família para a cidade" Letícia
"Nossa, ele construiu tudo aqui" Letícia sobre o trabalho do Agripino, pedreiro da comunidade do Berto
"Mas você não é fácil não, olha você ali" Moradora do Berto sobre o retrato do Agripino na exposição do Centro Cultural. "É, a gente faz muitas coisas aqui no Centro Cultural" Resposta dele.

A reportagem destacou algumas ações realizadas em parceria com as comunidades e a expectativa dos moradores sobre o Centro Cultural. Já o trabalho final, intitulado "Comunicação nas Periferias: ONG Amanu em Jaboticatubas" procurou analisar o histórico do desenvolvimento rural no Brasil, o contexto das ações da Amanu e a relação delas com a teoria da comunicação.
Abaixo, veja as fotos:

video

Lançado Jornal do Centro Cultural Comunitário

Jornal do Centro Cultural Pacífico Inácio
O Jornal do Centro Cultural Comunitário Pacífico Inácio teve sua primeira edição em Março de 2011. A idéia é que ele seja anual e mostre o que foi feito no ano anterior e as atividades já previstas para o ano seguinte. A primeira edição está sendo distribuída nas comunidades do Berto, Espada e Xirú pelo Fernando, da Rede de Agentes Mobilizadores Comunitários, nas comunidades e para possíveis apoiadores e parcerios pelo Grupo Gestor do Centro Cultural Comunitário, e para o Grupo de Amigos do Centro Cultural , apoiadores e parceiros pela Amanu. Com o jornal, todas as pessoas terão clareza de como é o funcionamento do Centro e como podem participar. Ainda, já está servindo de exemplo ao ser divulgado em outras comunidades rurais de Jaboticatubas.
1a Reunião do ano de 2011 do Grupo Gestor do Centro Cultural Comunitário

Centro Cultural Comunitário participa do II Prêmio Inclusão Cultural da Pessoa Idosa

Com a iniciativa do Centro Cultural Comunitário do Berto, Espada e Xirú, o Grupo Gestor do Centro Cultural Comunitário, representado por Daya, da Amanu, foi classificado no II Prêmio Inclusão Cultural da Pessoa Idosa 2010 - Edição Inezita Barroso. As primeiras 40 iniciativas classificadas foram premiadas. 

Os objetivos do concurso, subordinado à Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003, que estabelece, em seu Artigo 3º, a obrigação do poder público de assegurar às pessoas idosas, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à cultura, dentre outros, foram os seguintes:
I. Valorizar e ampliar o reconhecimento e a visibilidade das expressões culturais das pessoas idosas;
II. Contribuir para a garantia, às pessoas idosas, dos direitos de acesso às fontes de cultura e do fortalecimento de sua auto-estima, favorecendo sua socialização nos meios em que vivem;
III. Contribuir para a redução da vulnerabilidade das pessoas idosas em relação a todas as formas de violência, aprimorando os mecanismos de efetivação de seus direitos sociais e culturais;
IV. Apoiar o desenvolvimento de projetos culturais de natureza integrada direcionados à pessoa idosa;
V. Conhecer e divulgar ações que vêm sendo desenvolvidas tendo como objetivo a inclusão de pessoas idosas, a partir de projetos culturais;
VI. Qualificar as pessoas idosas para a atuação nas diversas áreas de abrangência cultural;
VII. Contribuir para o reconhecimento da importância da pessoa idosa como sujeito detentor de conhecimentos e vivências a serem transmitidas às demais gerações;
VIII. Subsidiar a elaboração de políticas públicas específicas para a pessoa idosa na área cultural;
IX. Promover o respeito à condição etária, no contexto social em que a pessoa idosa estiver inserida, garantindo-lhe a liberdade de expressão e criação;
X. Promover o reconhecimento e respeito das gerações mais jovens pelas pessoas idosas como agentes de transformação social;
XI. Garantir a universalização do acesso das pessoas idosas à prática de atividades culturais; e
XII. Promover o acesso e a vivência das diversas formas de manifestação da cultura corporal e artística, incluindo eventos inter geracionais, melhorando a qualidade de vida da pessoa idosa.

Grupo de Discussão sobre o PNAE: atividades e planejamento

O Grupo foi criado no final de 2010 e conta com técnicos da Amanu, da Emater e a nutricionista da Prefeitura Municipal de Jaboticatubas. A intenção é fazer com que a Lei no 11.947/2009 seja de fato cumprida no município, em especial a compra da agricultura familiar. Em 2010, o Grupo realizou estudos da Lei, a partir dos materiais disponíveis no MDA; Avaliou as condições de participação para os agricultores familiares no município; Participou do Seminário para Apresentação dos Indicadores de SANS, realizado pelo Instituto Felix Guattari e o CONSEA-MG, para trocar experiências com municípios vizinhos; Procurou conhecer experiências de outros lugares; Se reuniu para discutir a questão com o Conselho de Alimentação Escolar (CAE) Municipal; Propôs contrapartidas para a Prefeitura Municipal que facilitem a entrega dos produtos por parte dos agricultores.
Avaliamos as seguintes dificuldades: falta de acesso a informações sobre as possibilidades de montagem da Chamada Pública; distância entre as escolas do município e pouco volume de entrega nas mais distantes devido ao pequeno número de alunos que se encontram nas mesmas; falta de estrutura para recebimento e distribuição dos alimentos; apesar da publicação da chamada pública nem todos os agricultores foram efetivamente informados; impossibilidade de oferecer os produtos pelo preço de referência considerando que a entrega deve ser feita pelo agricultor em todas as escolas do município; proximidade da capital do Estado e existência de associações que já trabalham segundo o padrão do CEASA, muito diferente das necessidades para alimentação escolar; dificuldade em organizar grupos informais; falta de envolvimento do CAE para contribuir e garantir contínuas melhorias nas condições da alimentação escolar.
Por outro lado, foram avaliadas as seguintes potencialidades: possibilidade da Prefeitura organizar uma estrutura de recebimento e distribuição dos alimentos para as escolas, à semelhança do que vem sendo feito em outros municípios; muitos agricultores familiares no município, com grande diversidade de produtos; notícia de uma escola rural que recebe alimentos informalmente dos pais dos alunos, havendo possibilidade de formalizar essa entrega e beneficiar esses produtores; contato com o CECANE/UFOP que ajudou na solução de dúvidas.
Em 2011, o Grupo procurará continuar diálogo com a Prefeitura; atuar na mobilização de grupos informais e na formação dos conselheiros do CAE. Ainda, é interesse da Amanu envolver os participantes nas demais atividades da Associação sobre produção orgânica e alimentos do cerrado.

Alfabetização de Adultos em Comunidades Rurais de Jaboticatubas

A Associação Amanu, com apoio da Emater Local e das Associações Comunitárias, viabilizou a aprovação de um núcleo do Projeto MOVA-Brasil em Jaboticatubas, o que beneficiará cerca de 220 jovens e adultos que aprenderão a ler e escrever, 10 educadoras que terão a carteira assinada e receberão formação em educação popular, e 10 comunidades rurais que receberão as turmas. A Amanu ficará enquanto coordenadora local, acompanhando as educadoras de perto.
A demanda é grande em Jaboticatubas, onde muitos não tiveram oportunidade de aprender a ler e escrever e ainda hoje não tem como participar da EJA (Educação de Jovens e Adultos) municipal, que se restringe à duas turmas de alfabetização na sede do município, para onde muitas comunidades não possuem sequer meios de transporte, e ao Telecurso 1º grau. Apesar da educação ser um direito, muito precisa ser feito para efetivá-lo. Neste cenário, o Projeto MOVA-Brasil surge como uma oportunidade única. Em Jaboticatubas, acreditamos que este trabalho se soma aos já em curso e aos que virão na busca de melhoria de vida para as comunidades rurais do município. Uma das turmas, inclusive, funcionará no Centro Cultural Comunitário Pacífico Inácio, atendendo demandas apresentadas em 2010 pelas comunidades com ele envolvidas.

 Seleção das Educadoras do MOVA-Brasil Núcleo Jaboticatubas, ocorrida no CRAS Municipal em fevereiro de 2011, com participação de Equipe da Amanu, do MOVA-MG, da Emater Local e da Secretária de Educação Municipal.

Educação Superior do Campo

Temos a alegria de dizer que 4 pessoas, de três comunidades rurais de Jaboticatubas (Capão do Berto, Lucas e Boa Vista), foram aprovadas no Vestibular do LeCampo 2011 UFMG. Desde 2009 a Amanu divulga e incentiva a participação das comunidades nessa modalidade de vestibular.

A religião é ópio ou libertação do povo?

Convidamos para o lançamento do livro de Rodrigo Marcos de Jesus, que é coordenador do Grupo de Pesquisa da Amanu.


Mais informações sobre o livro:

Título: Cristianismo Libertador: religião e política em Leonardo Boff
Autor: Rodrigo Marcos de Jesus
Editora: Loyola
Coleção: FAJE

Sinopse:
Cristianismo Libertador analisa a religião como articulação entre fé e política na obra de Leonardo Boff. Dois enfoques orientam o estudo: a questão filosófica da imagem de Deus e a função da Igreja no contexto latino-americano, especialmente brasileiro, dos anos 1970-80. Um questionamento é feito no decorrer de todo o texto: afinal, a religião é ópio ou libertação do povo?
A obra está dividida em três capítulos. No primeiro, é apresentado o contexto histórico-cultural e o contexto filosófico brasileiro da consciência de libertação. Álvaro Vieira Pinto, Henrique Lima Vaz e Paulo Freire aparecem como filósofos-chave para a constituição da ideia-força de libertação. No segundo capítulo é debatida a concepção filosófico-teológica de Deus em Leonardo Boff, extraindo-se suas consequências críticas. O último capítulo discute as implicações ético-políticas da concepção de Deus no cristianismo libertador e o papel que caberia à Igreja no contexto de opressão da sociedade latino-americana e brasileira. O livro conta ainda com um glossário dos principais conceitos utilizados e uma entrevista inédita com Leonardo Boff.
Cristianismo Libertador: religião e política em Leonardo Boff aborda temas de filosofia da religião, de filosofia brasileira e de pensamento político-social.

Disponível nas livrarias e nos sites:
www.livrarialoyola.com.br

Articulação de Sementes Crioulas de MG

Curso: Manejo de Sementes Crioulas/BH




Da vinda de Yanick e Christine Loubet ao Brasil, dois dos produtores franceses de sementes crioulas que trabalham em parceria com a Fundação Kokopelli, foi criada uma articulação com liderança descentralizada e horizontal que possibilitou a realização de quatro cursos de Manejo de Sementes Crioulas em território brasileiro. A Amanu integrou a equipe que articulou o curso em Belo Horizonte e que faz parte hoje da Articulação de Sementes Crioulas de MG. Este é um grupo aberto e que funciona de acordo com as propostas e disponibilidades dos envolvidos. Para participar, inscreva-se aqui.

Feira de Trocas ocorrida no curso